Releases

A Odebrecht Investimentos em Infraestrutura acaba de conquistar o contrato para construção e concessão do Setor dois da Rota do Sol, na Colômbia, que unirá Bogotá à costa do Caribe. É a primeira obra da empresa no país, desde 2002.

A Rota do Sol, uma das obras de infraestrutura e engenharia mais importantes dos últimos anos na Colômbia, terá aproximadamente mil quilômetros e receberá investimentos da ordem de US$ 2,5 bilhões. Já o investimento sob responsabilidade da Concessionária Rota do Sol S.A.S., liderado pela Odebrecht e composto ainda pelas colombianas Corficolombiana e Solarte, é de aproximadamente US$ 1 bilhão.

O Setor dois, considerado o mais importante e extenso da Rota do Sol, sai de Puerto Salgar até San Roque e tem 528 quilômetros de extensão. O início da construção, que ficará a cargo da Construtora Norberto Odebrecht, está previsto para 2011, com previsão para ser concluída em cinco anos. O período de concessão é de 15 anos.

A Rota do Sol consiste na ampliação e na construção de um trecho no interior da Colômbia, a partir do município de Villeta (a 80 quilômetros ao noroeste de Bogotá). Atravessará oito departamentos e 39 municípios do país, que representam 26,1% do PIB nacional e 30% da população.

O empreendimento fortalecerá a competitividade do país no mercado internacional, além de promover a melhoria das vias de acesso do interior do país aos portos de Cartagena, Santa Marta, Barranquilla, que representam 52% da movimentação portuária colombiana.

O empreendimento foi dividido em três lotes:

Odebrecht na Colômbia

A Construtora Norberto Odebrecht ingressou no país em 1992. Nos dois anos seguintes, foi responsável pelas Estações de Bombeamento de Petróleo da British Petroleum e, de 1994 a 1995, liderou o projeto do Porto Carbonífero Drummond.

Em 1993, a empresa ganhou a concorrência para construir a Ferrovia La Loma-Santa Marta. O projeto consistiu na reconstrução de 223 quilômetros da rede férrea nacional, incluindo projeto, fabricação, montagem e colocação em operação de toda a superestrutura. Sistemas de sinalização e comunicação de controle, assim como a substituição de todos os bueiros existentes e recomposição dos aterros também estavam previstos. As obras terminaram em 1999.

Em 1997, a empresa assumiu o projeto da Usina Termelétrica Termoemcali. No mesmo ano, também foi responsável pelo Gasoduto Transmetano e pela Planta de Tratamento de Águas Residuais de Cañaveralejo e de Salitre.

O projeto da Estação de Tratamento de Águas Residuais de Cañaveralejo, em Calí, terminou em 2002. O trabalho da Odebrecht envolveu a construção, o fornecimento e a montagem de equipamentos, os testes e a operação da estação. O projeto compreendeu ainda a construção de edifícios de administração e serviços.

Ainda em 1997, a empresa assumiu a Hidrelétrica Miel I, em Caldas. Construída com concreto compactado a rolo, Miel I é a represa mais alta do mundo no seu tipo. Sua barragem tem 192 metros de altura e 354 metros de comprimento. Com três turbinas, a usina tem potência para gerar 375 MW de energia. As obras foram concluídas em 2002.

ROTA DO SOL